Inicio >> Dados e Pesquisas >> Release ABEME 2017: informações, números e dados oficiais

Release ABEME 2017: informações, números e dados oficiais

ABEME

A Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual (ABEME), fundada em 2002, representa a força produtiva de 11 mil pontos de venda existentes por todo o território nacional, 90% de porte micro e pequenas empresas, gera direta e indiretamente mais de 100 mil empregos e juntas faturam mais de 1 bilhão de reais anualmente.

São cerca de 30 fabricas, 50 atacadistas, 15 importadores, 1.000 lojas virtuais, 80 mil consultoras domiciliares e um mix estimado em mais de 15 mil itens diferentes.

O Setor sensual e erótico Brasileiro tem destaque no cenário mundial, não apenas por sua grandiosidade e inovação, mas também pela criatividade, principalmente no setor de cosmética sensual: Autossuficiente na produção de cosmética sensual, o Brasil comercializa (nove) 9 milhões  de itens ao mês (destes, cerca de 3,5 bilhões são géis, cremes e lubrificantes), sendo ainda referência mundial em lingerie sexy.

O setor vem apresentando uma rápida profissionalização e há uma preocupação com a qualidade dos itens comercializados e os benefícios dos produtos eróticos para a saúde e bem estar sexual dos consumidores, neste contexto a Abeme promove o debate entre os empresários e a área da saúde e educação sexual, sempre incentivando a capacitação dos profissionais do setor.

Fazem parte da diretoria e conselhos da ABEME representantes das maiores e mais importantes empresas do setor na America Latina.

Paula Aguiar

Preside a entidade Paula Aguiar. Publicitária, escritora, presidente do CEAIDS-SP (Conselho Empresarial de Prevenção ao HIV/AIDS do Estado de SP), membro dos comitês ISO/ABNT de contraceptivos mecânicos e terminologia de produtos assistivos, consultora do mercado erótico e palestrante. Iniciou no setor em 2000, na área de comércio eletrônico e a seguir dedicou-se na distribuição, fabricação, atacado, atendimento e todas as áreas que envolvem a comercialização de produtos eróticos. Paula acompanha as transformações de toda a cadeia produtiva do setor, estuda tendências e direciona mudanças na economia do segmento. Autora de inúmeros livros de negócios e produtos eróticos para os consumidores, estudiosa de produtos eróticos e consumo, realiza consultoria para diversas empresas do Brasil e exterior. Idealizadora do Primeiro Seminário para empreendedores do mercado erótico brasileiro em 2006 atua com o objetivo de disseminar conteúdo e informação para melhorar o setor no país.

LIVROS PUBLICADOS

Sexshop Guia de Negócios, Sexshop.com, Sexshop na sacola, Kama Sutra: guia prático de posições totalmente ilustrado, Kama Sutra: guia de posições para ocasiões especiais, Manual de bolso My Vibe Personal, Manual de bolso My Vibe Bullet, Manual de bolso My Vibe Real, Manual de bolso My Vibe Rabbit, Manual da Consultora Sensual ebook, Manual do Comprador de Cosmético Sensual com vários autores, Vibrador “O livro” ebook para os consumidores, ABC erótico, o dicionário do sexo, o Guia Gospel para Sexshops e o Sexshop leis e regulamentações.

NÚMEROS DO SETOR

O setor realiza em 2017 no Rio de Janeiro, a Sexy Fair, este é um indicador de que o mercado de produtos eróticos consegue superar o momento difícil da economia brasileira, principalmente porque tem investido fortemente em novos consumidores (83% da população nunca experimentou um produto erótico), mas outros fatores também incentivam o crescimento do mercado erótico sensual, tais como a busca por uma segunda renda através do comercio de produtos sensuais por catalogo, mostrando que a crise pode ser uma janela de oportunidades, e a exportação, principalmente de géis, cremes, lubrificantes e lingerie sexy para Estados Unidos e Europa, um mercado até pouco tempo inexplorado pelas marcas, mas que vem ganhando espaço com a alta do dólar.

Por aqui as empresas brasileiras apostam em inovação para sobreviver, e lançam novos produtos mensalmente de olho principalmente na clientela feminina que representam 68% nos 11 mil pontos de venda em todo o país, sendo 33% só em São Paulo, estado responsável também pelo maior pátio fabril da America Latina. Os lançamentos foram os principais responsáveis por atingir o crescimento de 2,8% em 2016, o recém-chegado consumidor gospel também foi relevante, pois alguns estabelecimentos registraram que até 30% de seus consumidores eram evangélicas desta nova onda, batizada de revolução sexual cristã, cuja grande novidade é os produtos sensuais gospel.

Outras novidades do setor: o crescimento de serviços dentro e fora dos pontos de venda, tais como, cursos de sedução, chás de lingerie, empoderamento feminino e o destaque para o sexo espiritual (tântrico).

 Perfil de consumo por Gênero

As mulheres ainda dominam as compras, no entanto, os homens tem ampliado sua participação nas vendas. Esta talvez seja uma das grandes novidades. Atualmente os novos empreendimentos favorecem muito mais as mulheres, mas com o tempo a nova geração masculina vai exigir dos empresários um ambiente especial para este “novo” homem, mais sensível, vaidoso e preocupado com o prazer feminino. Enfim, o universo cor-de-rosa pode estar mudando de cor e as próximas décadas tendem a privilegiar os casais, buscando alternativas para o atendimento, sem olhar mais para o homem x mulher, mas sim o casal independente de ser hetero ou homo afetivo dentro do universo dos pontos de venda.

Nos pontos de venda, tais como Boutiques e sexshops houve um aumento da presença masculina em 2 pontos percentuais em relação as mulheres.

 

Ainda em 2016 elas representaram 65% das compras de produtos eróticos, muito influenciadas pelas redes sociais aproveitando lançamentos e promoções no Facebook e grupos de whatsapp. Já na venda por catálogos as mulheres dominaram completamente respondendo por 90% das compras realizadas com as consultoras, mas já há muitos homens que participaram de treinamentos e eventos para se especializar na venda domiciliar de produtos.

Os produtos mais consumidos em 2016

1º Lubrificante Anal
2º Gel excitante / vibrador liquido
3º Gel retardador/ prolongador da ejaculação
4º Anel peniano (com vibrador)
5º Bolinhas lubrificantes
6º Lingerie sexy

Mas quem acha que o fenômeno Cinquenta Tons não esteve presente, saiba que os indicadores apontam num aumento da produção visual de homens e mulheres, entre as categorias de produtos mais vendidas em 2016 encontramos lingerie sexys e seus acessórios maravilhosos, como vendas, chicotes, pétalas e algemas, tudo com bom gosto e para os mais variados bolsos.

Segundo as pesquisas os consumidores gastaram em suas compras em media 280 reais e diversificam muito suas escolhas, sempre buscando montar um cenário completo, que vai desde lingerie até géis e vibradores para uma noite pra lá de especial.

Outro fator importante foi a grande variedade de produtos novos no ano de 2016, e com conceito diferenciado, os destaques ficam por conta dos itens com embalagens inspirados em Cinquenta Tons de Cinza, a diferenciada linha Gospel de cosmética sensual, linhas assinadas por especialistas como a Vem Transar de Tatiana Presser e Nizo Neto e o lançamento de suplementos vitamínicos para estimulo sexual.

RIO: O SEGUNDO ESTADO EM VENDAS PELA INTERNET

O Rio de Janeiro é o segundo maior mercado em volume de vendas pela internet ficando seus consumidores com 16% de todos os produtos eróticos comercializados no país.

Sexy Fair 2017

Distribuição de Vendas Virtuais pelo Brasil

SP 33%
RJ 16%
MG 11%
PR 6%
RS
GO
6%

5%

Segundo pesquisas recentes da ABEME, as cariocas buscam produtos eróticos para ocasiões especiais, em mais de 60% dos casos, consomem ainda cursos de sedução e tem se especializado em sexo tântrico e técnicas de conquista para usar com seus amados. Não faltam chás de lingerie e reuniões de mulheres que turbinam os números dos negócios no estado.

Apesar deste resultado expressivo na internet, o mercado carioca ainda tem muito que crescer em negócios locais, principalmente pontos de venda, que no momento são poucos, provavelmente pelas dificuldades encontradas pelos empresários para montar sexshops no estado do Rio de Janeiro.

 Tabelas informativas datas

Primeiro produto vendido foi o método da tabelinha impresso – Alemanha 1946

Primeira Sexshop fundada – Alemanha por Beate Uhse 25/12/1962

Criação de evento do tipo sex toy party 1970

Criação da Loveland, pioneira em marketing direto – Brasil 1981

Criação da Pure Romance – EUA 1993

Criação da Passion Party – EUA 1994

Venda por catálogo de eróticos montado em pastas 1998

Primeira sexshop com ações na bolsa – Beate Uhse 1999

Criação da Associação ABEME 2002

Criação dos Chás de Lingerie 2004

Criação da La Maleta Roja – Espanha 2005
Primeira empresa de catálogo sensual organizada – Brasil 2006

PALAVRA DA PRESIDENTE

“Vamos continuar lutando pela quebra de tabus e preconceitos contra o mercado erótico, inovando e buscando o bem estar sexual das pessoas, engajando empresários, pessoas e entidades, segundo Paula Aguiar, presidente da ABEME, os pontos de venda de produtos eróticos hoje nasce com o objetivo de chamar a atenção de mulheres e casais que são seus principais clientes. Um mix amplo de produtos a venda e profissionais de artes sensuais que ministram cursos, eventos e reuniões específicas para a clientela são diferenciais importantes nestas lojas”.

“Qualquer tipo de público se sente confortável atualmente em uma sex shop, pois é um espaço agradável e confiável. Comprar produto erótico e sensual se tornou uma experiência estimulante, profissional, divertida e muito importante para a vida sexual de casais, seja hetero ou homoafetivos, finaliza Paula”.

Para maiores informações entre em contato com a ABEME no email atendimento@abeme.com.br

Fonte:
 WWW.abeme.com.br

 

 

LEIA TAMBÉM

Este é o novo vibrador usado na Índia: O velho telefone Nokia

Você sabia que os telefones da Nokia são usados ​​como vibradores na Índia? Na Índia, …