Sex Shop: a moda que veio pra ficar

Por: Luísa Toledo
Nova Friburgo

Apesar de ainda ser um tabu para muita gente, o sexo, inegavelmente, faz parte da vida de todas as pessoas. Hoje, com o sucesso das Sex Shops, que se proliferam em todo o mundo, é possível afirmar que tanto os homens, quanto as mulheres buscam novas possibilidades de prazer em suas relações mais íntimas e, o mais importante, a liberdade sexual.

Na primeira vez em que teve coragem de entrar em uma Sex Shop, a pediatra A. M. não conseguiu conhecer a vasta gama de produtos eróticos expostos na loja, tamanha a vergonha e insegurança. “Admito que no início tinha as minhas reservas e, na primeira vez que eu coloquei os pés em uma Sex Shop, não consegui nem pedir informações para as vendedoras, de tanta vergonha que eu estava sentindo. Mas pouco tempo depois, retornei ao local com uma amiga, e aí sim, “futuquei” muita coisa. Foi o maior barato”, revela a jovem de 29 anos.

Entre tanta variedade de acessórios eróticos, os mais requisitados pelas mulheres continuam sendo os óleos de massagem, os vibradores e os óleos comestíveis para sexo oral. “Eu sei que muita gente ainda tem preconceito, por isso não quis me expor, permitindo que meu nome fosse publicado na matéria. É uma pena que tantas mulheres ainda tenham medo de se conhecer de verdade, de buscar o próprio prazer. Na minha opinião, se limitam à mesmice e ainda se submetem ao homem também no quesito sexual”, opina A.M, que coleciona diversos “brinquedos”, como ela nomeia os acessórios.

 - Clique na foto para ampliar
(Foto: divulgação)

As Sex Shops também conquistam o sexo masculino, prova disso é a crescente demanda por produtos como os “potenciadores” – pastilhas, pílulas e poções líquidas, que funcionam como afrodisíacos. “Eu sou um frequentador assíduo de Sex Shop e geralmente procuro o “líquido de besouro”, que faz todo o meu corpo pulsar. É bom demais”, conta R. D., comerciário de 36 anos.

PARA TODOS OS PÚBLICOS, GOSTOS E BOLSOS…

O primeiro Sex Shop do mundo surgiu na Alemanha, em 1962. O local era conhecido como “o instituto para a higiene marital” e comercializava livros, revistas, contraceptivos, produtos estimuladores, lingeries e preparações farmacêuticas.

No início da década de 90, com o advento da internet comercial, surgia uma nova categoria de Sex Shop: o virtual, que, até hoje, é muito procurado, devido a privacidade que proporciona e as facilidades de compra.

Inicialmente, as Sex Shops eram voltadas para o público masculino, mas, gradativamente, foram conquistando as mulheres. Dessa forma, as Sex Shops exclusivas para o público feminino foram ganhando espaço. Nelas, geralmente, há uma decoração especial, que remete à boutiques de shopping, e um atendimento personalizado. O mercado erótico também já conta com “Sex Shops de luxo” e com aquelas voltadas para o público gay.

Fonte: êxito RIO – A Revista da Serra&Mar